- Era uma vez uma linda princesa, admirada por todos, mas que ninguém ousava pedir em casamento. Desesperado, o rei consultou o deus Apolo. Ele lhe disse que Psiquê deveria ser deixada sozinha, vestida de luto, no alto de uma montanha. Antes que o dia raiasse, uma serpente viria a seu encontro para desposá-la. O rei obedeceu. A princesa esperou a noite toda, morrendo de medo e de frio, a chegada de seu marido. Por fim adormeceu. Ao despertar, viu-se em um lindo palácio, coroada rainha. Todas as noites o marido vinha a seu encontro e eles faziam amor. No entanto ele lhe impusera uma única condição: Psiquê poderia ter tudo o que desejasse, mas deveria confiar plenamente nele e jamais poderia ver seu rosto.
- A moça viveu feliz por muito tempo. Tinha conforto, carinho, alegria e era apaixonada pelo homem que a visitava todas as noites. Entretanto, vez por outra tinha medo de estar casada com uma serpente horrorosa. Certa madrugada, enquanto o marido dormia, ela acendeu uma lanterna. Então viu Eros deitado ao seu lado, um homem de incrível beleza. A luz o despertou. Ao ver que a mulher que amava não era capaz de cumprir seu único desejo, Eros desapareceu. Desesperada para ter seu amor de volta, Psiquê se submeteu a uma série de tarefas que Afrodite, mãe de Eros, lhe impôs. Nem é preciso dizer que a sogra morria de ciúmes da beleza da nora e fez de tudo para atrapalhar a reconciliação do casal. Em uma dessas tarefas, Psiquê acabou abrindo uma caixa que a fez cair num sono profundo.
- Eros também estava apaixonado e se arrependera por não ter sido mais tolerante com sua mulher. Conseguiu entrar no castelo e despertá-la com a ponta de sua flecha. "Quase morreste por causa de tua curiosidade", disse ele. "Buscavas encontrar segurança no conhecimento e destruíste nosso relacionamento." Mas no amor, nada é destruído para sempre. Imbuídos desta certeza, os dois recorreram a Zeus, o deus dos deuses, implorando que sua união jamais pudesse ser desfeita. Zeus advogou com empenho pela causa dos amantes e usou bons argumentos e ameaças, até conseguir a concordância de Afrodite. A partir desse dia, Psiquê (nossa parte inconsciente, porém lógica) e Eros (o amor) ficaram juntos para sempre.
- Quem não aceitar isso e procurar sempre uma explicação para as mágicas e misteriosas relações humanas, perderá o que a vida tem de melhor.



Adultério - Paulo Coelho.
Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger